terça-feira, 21 de julho de 2015

Gripe aviária faz granjas dos EUA protegerem-se no Brasil

Menos de 24 horas depois de um foco de gripe aviária ter sido confirmado em uma fazenda de perus ao norte de Des Moines, no Estado norte-americano de Iowa, Bud Wood acomodou cerca de 3.500 pintos raros de apenas algumas horas de idade, em caixas e colocou-os na parte de trás de um caminhão, pegou a estrada na madrugada do sábado e dirigiu até a fazenda de um amigo no Estado do Texas para deixá-las em um lugar seguro.
Criar pintinhos de linhagens raras que são valiosa fonte genética para galinhas poedeiras se tornou um desafio num momento em que um surto de gripe aviária em aves domésticas se transformou na pior emergência sanitária na história dos EUA e alguns foram enviados para lugares tão distantes como o Brasil.
A gripe aviária matou mais de 48 milhões de frangos e perus desde dezembro. A maioria das perdas afetaram galinhas poedeiras em Iowa, o principal produtor de ovos nos Estados Unidos. Em consequência, os preços de ovos dos EUA subiram. A Hy-Line International, maior empresa de genética do mundo especializada em galinhas poedeiras, mudou parte de suas aves para outros Estados nos últimos meses. A Hy-Line se recusou a revelar para onde enviou suas aves reprodutoras, citando questões de “segurança”, mas sabe-se que a empresa também mandou algumas de suas aves de reprodução para o Brasil, para garantir que possam ser exportadas para compradores no exterior que estão restringindo as compras dos Estados Unidos por causa do surto.
A Murray McMurray e Hy-Line garantem que nenhuma de suas aves foi infectada com o vírus.
Fonte: Revista Eletrônica AMBIENTE BRASIL (via newsletter)


Nenhum comentário: