segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Momento lírico 301

DESCRENÇA
 (Karl Fern)

Eu sinto que a incerteza
Corrói como um pecado
Que me deixa magoado
E agonia minha natureza
Mas bem pior é a tristeza
De não se ver acreditado!

Acordo perdido e frustrado
Sorumbático e impotente
Traz um penar permanente
Que me esboroa desolado
Mesmo com perdão dado
Não dá pra tirar da mente.

Brota uma dor recorrente
Enquanto não há confiança
Descrença mata esperança
Gera uma ferida plangente
Deixa meu coração doente
Guarda perversa lembrança.

A verdade é como criança
Que não deixa de crescer
Novos ares hão de nascer
Germinando paz e bonança
Conforma o tempo avança
Sei que vou lhe convencer.

E quando a verdade vencer
Seu coração desconfiado
Finalmente estarei curado
Deste degradante padecer
Por fim, poderei esquecer
E esta mágoa será passado.


Nenhum comentário: