quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Momento lírico 297

O VIÉS
(Karl Fern)

Singela lágrima que vai
Mais uma gota que caí
Do olhar vago e perdido
Traça um filete molhado
Regando o rosto marcado
Neste semblante sofrido.

Pelo soluçar consumido
De um coração dolorido
Em um choro incessante
Desencanto inclemente
Na agrura da alma doente
Refém do sofrer cortante.

No pensamento distante
Vagueia a dor dilacerante
Inconsolável e sem norte
Mas ativas feridas saram
Males doídos um dia param
A vida renascerá mais forte.

O que pensas ser a morte
Vai parecer ser tua sorte
A tristeza te dará alforria
Teus lábios voltarão a sorrir
Ativo olhar tornará a luzir
Virão lágrimas de alegria.

A vida revoa mesmo assim
Depois da tempestade ruim
Sobrevém calma e bonança
Não te refugies no passado
Esqueça o que deu errado
Assuma o viés da esperança.


Um comentário:

Leyla Rosileny disse...

Simplesmente lindo e renovador! Valeu poeta.