sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Momento lírico 235

DEPOIS DE ADÃO E EVA
 (Karl Fern)

Depois de comerem a maçã
Conforme tapeados por satã
Com mãos na frente e atrás
Adão e Eva foram expulsos
Como dois intrusos avulsos
Para alegria do vil Satanás.

Receberam a ordem divina
Depois de ouvirem sua sina
Que iam pagar seus pecados
Saíram sozinhos no mundo
Como um casal vagabundo
Ambos juntos e abraçados.

Perdidos e envergonhados
Seguiam os dois humilhados
Pagando pelo infeliz enredo.
Adão mirou Eva, sem querer
Sentiu seu negócio crescer
E aí ficou com muito medo.

Vendo aquilo só amentando
Sem entender até quando
Ainda atordoado e inocente
Estando de Eva aproximado
Cochichou pra ela arreliado
“Cuidado mulher, sai da frente!”

Mas Eva com era enxerida
Sempre mais criativa na vida
Foi novamente danadinha
"Venha aqui querido Adão
Deus não tá nos vendo não
Esconda na minha gavetinha!"

Adão estando lá encabulado
Escondeu em Eva seu cajado
Ele gemendo ele suspirando
Rolaram involuntários carinhos
Remexendo e dando jeitinhos
Acabaram quase desmaiando.

 “Esconder” o casal viciou-se
E com o eles Deus arretou-se
Pela tanta falta de pudores
E pra que Eva fosse castigada
Deixou-a que fosse embuxada
E parisse com muitas dores.

 Pra o homem ser maltratado
Deixou-lhe um castigo danado
Que o deixa frustrado à beça:
Ao chegar em casa animado
E frustrado ir dormir irritado
Ele inventou a dor de cabeça!

Mesmo com os contratempos
Através de todos os tempos
Não inventaram coisa melhor
Se tem quem diga ser pecado
Deve ser do juízo retardado
Não gosta da doçura do suor.

O amor é uma santa algema
E aqui termino este poema
Contando uma rotina cabal
Sempre bem cedo da manhã
Eu procuro comer uma maçã
Em preito ao primeiro casal!

Um comentário:

Lucena Fernandes disse...

Ow pecado bom!!!