segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Sobre o limão

É o fruto de uma pequena árvore de folha perene originária da região sudeste da Ásia, da família das rutáceas. As suas aplicações na vida doméstica são inúmeras. Com o suco da fruta, preparam-se refrigerantes, sorvetes, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos de limpeza. Da casca, retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e no preparo de licores e sabões.
É, fundamentalmente, um remédio tónico que ajuda a manter a boa saúde. Rico em ácido cítrico e ácido ascórbico, é certo que atua beneficamente em diferentes partes do corpo. Estudos epidemiológicos associam sua ingestão com uma redução no risco de várias doenças. Em fitoterapia, é utilizado para diversas patologias, tais como reumático, infecções e febres, aterosclerose, combate ateromas (remove placas gordurosas das artérias), constipações, gripes, dores de garganta, acidez gástrica e úrica (alcaliniza o sangue), frieiras, caspas, cicatrizações, ajuda a manutenção de colágeno, hemoglobina, atua como antisséptico entre outras. Também mostra alguma atividade antimicrobiana e possui uma substância própria denominada limoneno capaz de combater os radicais livres.
Particularmente, ele evita hemorragias, uma grande preocupação para quem tem diabetes, já que a dificuldade de cicatrização e a consequente possibilidade de infecções são maiores. Além disso, a alta concentração de ácido nicotínico protege as artérias, prevenindo problemas cardiovasculares, uma tendência para quem tem a doença. Por fim, ele diminui a viscosidade do sangue, o que é essencial, uma vez que, junto com o diabetes, existem alterações que predispõe a um maior risco de trombose.
O consumo diário de uma limonada pode ser um bom tratamento terapêutico para prevenir e até adiar o desenvolvimento de cálculos renais. O limão tem propriedades adstringentes, portanto, de ajudar (ou inviabilizar a formação) na dissolução de aglomerados de cristais e células gordurosas. Neste caso a receita indicada pelos estudos médicos é uma parte de suco de limão para sete partes de água, ou seja, suco de 1 limão diluído em 1 copo de água.
Alerta: durante uma crise renal, não se deve consumir o limão, pois, neste caso, será contra-indicado. Seu poder adstringente atuaria contra a expulsão, retardando-a ao invés de acelerá-la. Mas, a não ser no momento de crise, seu efeito será sempre benéfico, atuando como um coadjuvante do tratamento principal.
Fonte: DIVERSAS


Um comentário:

Anônimo disse...

Adoro limão, limonada, tudo com limão, é gostoso, principalmente o peixe!