terça-feira, 17 de setembro de 2013

Momento lírico 202

SERIDOENSE DE FÉ
(Karl Fern)

Seridoense filho da terra
Nasce admirando a serra
Venerando o céu acima.
Namora o fio do horizonte
Pois de lá provém a fonte
Daquilo que mais o anima.

Vêm as nuvens pelo céu
Com a chuva como troféu
Pra regar o seco torrão.
E a noite vem luminosa
A lua cheia esplendorosa
Emocionando o coração.

Na sua casinha modesta
Sua família é sua festa
A amada e os filhos seus.
Essa alma sem maldade
Em sorrisos de felicidade
Vai dando graças a Deus!


Um comentário:

Anônimo disse...

Poema de uma vida pacata, e muito feliz, principalmente com a presença do amor!

Lindo demais!