sábado, 7 de setembro de 2013

Momento lírico 199

SONHOS DE PAIXÃO
(Karl Fern)

Num gesto hábil e soturno
O homem colheu uma flor,
Entoando pintar seu amor
Com aquele cravo noturno
Foi um lampejo taciturno
Enquanto afiados espinhos
Riscava tênues caminhos
Bordando de sangue e dor
Com o seu troféu multicor
Traços vermelhos fininhos
Flores ou cravos sozinhos
Jamais lhe trariam temor.

Num palco de tanta cor
Retido na mão atrevida
Segurando a presa colhida
Pensamento de sonhador
Em um strip-tease sedutor
No desatar dos seus laços
Da revelação dos espaços
Sentimentos fluindo poesia
Despindo-se em alforria
Universo infinito dos dois
Paraíso que viria depois
Da hora que desconhecia.

Com a mente em fantasia
Pétalas de puro perfume
Desejo de inocente ciúme
Cravos eram uma profecia
Uma maravilhosa sinfonia
Mística da eterna criação
Quimera da imaginação
Raio vigente e repentino
Firme, forte e cristalino
Um pulsar ágil e brilhante
Sinal andejo e viandante
Eco fausto de seu destino.
Fonte: MINHA RIMAS II


Um comentário:

Anônimo disse...

Simplesmente lindo, a cada dia mais, nos sensibilizamos com a beleza dos seus poemas, seja qual for o tema!

Parabéns professor poeta!