quinta-feira, 18 de julho de 2013

Momento lírico 176


VERSOS NA AREIA
(Karl Fern)

Escrevi um poema na areia
Ouvindo som da maré cheia
Pranteando árduo desgosto.
A brisa soprou-me o enredo
Por entre frestas do penedo
Mimando a derme do rosto.

Suspirei num lamento vago
Tão triste quanto cansado
Desatento e sem fantasias.
Infesto limbo de desamor
Pintei o transe da minha dor
Em soltos versos de poesias.

Quisera que uma onda serena
Da que apagou meu poema
Apiedasse de minha aflição
Sorrateira e delicadamente
Apagasse definitivamente
As mágoas do meu coração.

Este poeminha faz parte da projeto MINHAS RIMAS II,
para a qual estou a busca de patrocínio!


3 comentários:

Lucena Fernandes disse...

Não será difícil arrumar patrocínio. Ainda existem pessoas de bom gosto e que sabe que o investimento não será desperdício.

Lucena Fernandes disse...

Sempre que eu estiver caminhando pela beira mar vou lembrar desse poema!

Anônimo disse...


Chega um tempo na vida que agente aprende que ninguém nos decepciona, nós é que colocamos expectativas demais nas pessoas! Cada um é o que é, e oferece aquilo que tem que oferecer!