terça-feira, 19 de março de 2013

Momento lírico 151

Soneto: CINZAS
(Karl Fern)

Chegaste como um frágil beija-flor
Um olhar de meigo enternecimento
Um lindo sorriso de contentamento
Seduziu-me com manto encantador.

Vislumbrei os limites do firmamento
Abriguei-me em teu barco sedutor
Embarquei numa viagem de amor
Sucumbi à esfinge do sentimento.

Escravizei-me por entre teus abraços
Adormeci no íntimo dos teus braços
Sonhei flutuar num mar de felicidades

Eis que a encantada taça quebrou-se
O néctar daquele amor derramou-se
Nas cinzas de um coquetel de saudades.


Um comentário:

Anônimo disse...

Tudo que tem começo tem fim, até mesmo quando se tem por eterno!!!

Belo soneto!