quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Momento lírico 143

A MUDA
(Karl Fern)
Na horta do meu coração
Plantei uma muda de carinho
Reguei o tempo inteirinho
Com lágrimas de emoção
Dos olhares de fascinação
Desde o seu comecinho.

Sonhos de paz e candura
Dosados com suavidade
Ausente da rota ansiedade
Ponderadas com ternura
Pra não padecer amargura
Concebida pela falsidade.

Em minha alma fantasiosa
Poética, romântica e decente
Essa muda foi uma semente
Germinou forte e virtuosa
Vingou impecável e preciosa
Numa ingenuidade latente.

Curtida com zelosa paixão
Expandiu-se esperançosa
Assentando-se harmoniosa
Mimosa e plena de afeição
Desimpedida para doação
A outra alma carinhosa.

Um comentário:

Anônimo disse...

Sublime! Perfeito!

Amei!