sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Momento lírico 121



QUERÊNCIA INFINDA
(Karl Fern)

Entre loas de melódica saudade
Imagino tua deleitável imagem
Como a esperançosa miragem
Envolvendo-me com suavidade
Paradigma da sã sensualidade
Tentadora e mais mimosa ainda
Uma visão estonteante e linda
Deslumbrante fada mensageira
Amante impetuosa e feiticeira
Protótipo da querência infinda.

Como uma seiva aromatizante
Emanada de uma rosa solitária
Mesmo sendo ação imaginária
Galopa num sonho triunfante
Brilhante, cristalina e fulgurante
Cascata de suasória intimidade
Movida pela revolta ansiedade
Nessa cruciante ausência aflitiva
Uma permanência compassiva
Fonte alcoviteira de misticidade.

Mergulhado nessa obscuridade
Falta-me a desejada companhia
Alegra-me saber que algum dia
Encontrei-me amado de verdade
Alcancei essa intensa felicidade
Eu sei quanto foi venusto sentir
Se amanhã não puder me seguir
Não vou lamentar por completo
Pois quem já conheceu teu afeto
Jamais se vituperará por existir!

3 comentários:

Anônimo disse...

QUERÊNCIA INFINDA!! Simples mente lindo!

Parabéns! Que continue nos encantando em 2013!

Lucena Fernandes disse...

Mais uma vez um poema lindo, sensível e que fala do amor profundo que se sente!
Parabéns!

Anônimo disse...

Acordar na madrugada, angustiada e triste e me deparar com uma obra dessas, é reconfortante!