quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Calendários atuais

Desde a Antiguidade, os povos adotam diferentes sistemas para a contagem do tempo anual (calendário) e, embora hoje o calendário cristão seja predominante, ainda subsistem os calendários hebreu, chinês e muçulmano.
O primeiro calendário surgiu no Egito Antigo em cerca de 3.000 a.C. Considerava as fases da Lua e dividia o ano em 12 meses de 29 ou 30 dias.  O calendário romano era baseado no egípcio, tinha 304 dias e 10 meses, sem os meses de julho e agosto.
O calendário juliano, assim chamado porque foi criado por ordem do patrício, líder militar e político romano Caio Julio César (100- 44 a.C.), resultou da reforma do calendário romano. Estabeleceu o ano solar de 365,25 dias e o ano civil de 365 dias, com um bissexto de 366 dias a cada quatro anos. São retirados dois dias de fevereiro e acrescidos aos meses de julho e agosto, porque têm nome de imperadores.
Depois veio o calendário cristão, proposto (525) por Dionísio Exíguo, o Menor (~470-540), monge, matemático, astrônomo e historiador grego nascido na Cítia Menor, hoje a região de Dobruja, Romênia, que propôs (525) um novo calendário para por fim à desordem dos diversos sistemas de contagem cronológica então empregados. Dionísio tomou como base o calendário juliano e tendo o nascimento de Jesus Cristo como ano 1 do século I. Os períodos e acontecimentos anteriores a isso passariam a ser datados com a sigla a.C. (antes de Cristo) e contados de trás para diante.
Em 1582 surgiu o calendário gregoriano, criado por ordem do papa Gregório XIII (1502-1585), por isso assim denominado. Ele ordenou ao jesuíta matemático e astrônomo germânico Christoph Clavius (1537-1612) para verificar e corrigir os cálculos do calendário cristão/juliano, criando então o nosso atual calendário, que pelos seus cálculos já apresentava um erro de 10 dias.
No final do século XIX, quando a contagem cronológica da História pelo sistema de Dionísio já estava difundida e uniformizada pelo mundo, descobriu-se um erro de cálculo. Como parece ser fidedigna a data da morte de Herodes (4 a. C.) na contagem gregoriana, alguns historiadores afirmam que Jesus, seguramente, nasceu antes desta data, e frequentemente são encontrados textos dando como data do nascimento do fundador do cristianismo dois anos antes (6 a. C.).
Ainda são empregados atualmente os seguintes calendários:
1.         Calendário hebreu – Lunissolar (considera o Sol e a Lua), com ano médio de 365,246 dias e meses de 29 ou 30 dias e o ano 1 da era judaica corresponde a 3.761 a.C. ;
2.         Calendário chinês – Lunissolar e comporta dois ciclos: um de 12 anos (de 354 ou 355 dias, ou 12 meses lunares) e um de sete anos (com anos de 383 ou 384 dias, ou 13 meses). Os anos do primeiro ciclo têm nomes de animais: rato, boi, tigre, lebre, dragão, serpente, cavalo, cabra, macaco, galo, cachorro e porco;
3.         Calendário muçulmano – Lunar com ano médio de 354,37 dias e meses de 29 e 30 dias, estabeleceu como ano 1 a data da fuga de Maomé de Meca para Medina, a hégira, e corresponde ao ano 622 da era cristã.
Fontes principais:
- ALMANAQUE ABRIL / 1995;
- SÓ BIOGRAFIAS (www.dec.ufcg.edu.br/biografias/
)

2 comentários:

Anônimo disse...

PÔXA....É cada coisa que agente aprende....

ADOREI!

Anônimo disse...

PÔXA....É cada coisa que agente aprende....

ADOREI!