domingo, 16 de dezembro de 2012

Preservação da água

É, sem dúvida, o maior desafio do século XXI preservar as fontes de desse elemento vital para a humanidade. O Brasil, apesar de privilegiado em suas reservas de água doce na Terra, ou seja, possui cerca de 12% do total, não está imune à escassez e ao mau uso. Além da má distribuição dessas reservas pelo território nacional, mesmo em regiões onde aparentemente há boas reservas, já há sinais preocupantes. São Paulo, por exemplo, tem previsão que em 10 anos passar a sofrer problemas terríveis com a escassez de recursos hídricos.
Além da má distribuição, as reservas de água potável no Brasil possui um grande vilão: a poluição. No nosso país, vergonhosamente entre 85% a 90% dos esgotos domésticos e cerca de 70% dos efluentes industriais são lançados diretamente nos corpos d’água, sem nenhum tipo de tratamento. Estima-se que 70% das águas dos rios, lagos e lagoas do Brasil estejam poluídos e esse nível de sujeira tende a crescer aceleradamente.
A maioria dos corpos de água que estão ou atravessam as cidades brasileiras encontram-se em condições lastimáveis de degradação por terem se tornados receptores de despejos líquidos domésticos e industriais, além de acumularem lixo de toda natureza.
Não dá pra esperar mais. Os governos precisam providenciar mudanças estruturais urgentes para a questão do gerenciamento da água e do lixo que permitam projetar um futuro em condições de sobrevivência sadia e confortável! A população necessita aprender a cobrar qualidade e não só quantidade de água. E os políticos têm de deixar de ser sem-vergonhas ou analfabetos no assunto e providenciarem medidas que permitam reverter essa tendência perversa e maligna.

Fonte principal: REVISTA BIO


Um comentário:

Anônimo disse...

APOIADÍSSIMO! Temos que reivindicar das autoridades "ditas" competentes, uma atenção maior, caso contrário teremos calamidade num futuro bem próximo!

Adorei a matéria!