quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Momento lírico 106


CAMINHANDO NA PRAIA
(Karl Fern)

Andejando pela fímbria arenosa
Sob a luz de um mar de estrelas
Luminosas, piscantes, singelas
Pontuando pelo espaço infinito
Bordando um céu mais bonito
Universo de ostensiva serenidade
De dadivosa e suave sonoridade
Sob sussurrantes ondas do mar
Que a meus pés vêm enxaguar
Sobre a areia fria e silenciosa.

Contemplo enlevado a imensidão
Raios de luar riscam o horizonte
Lua que de todo poeta é fonte
Astro para infindáveis alegorias
Inspiração de sonhadas fantasias
Bem além a água oscila prateada
Refletindo pela noite enluarada
Numa imaginação complacente
Intuindo por dentro da mente
Suspiros de comovedora solidão.

Nesse passeio absorto de paz
Que min’alma vivente precisa
A fértil imaginação improvisa
Isenta e desligada de aflições
Recordo-me de minhas paixões
A brisa me afaga com carinho
Ditoso seja esse meu caminho
Areia como grãos de brilhantes
Os aromas do mar olorizantes
Perfeições que somente Deus faz.

Feliz sensação de vital prazer
Envolto em brumas perfumadas
Pareço estar num conto de fadas
Um sonho de eterna liberdade
Sou um pontinho na verdade
Presente da minha Mãe Natureza
Feitora de tanta luz e beleza
Capricho da sublimidade divina
Pra mim, uma alma pequenina
Ter mais ânsia e talante de viver.


2 comentários:

Anônimo disse...

Lindo Demais! Existem momentos na vida que essa solidão é necessária!


Parabéns !!!

Lucena Fernandes disse...

Qualquer dia, vou experimentar esse caminhar sob o luar, sentindo as ondas molharem meus pés!