sábado, 24 de novembro de 2012

Momento lírico 99

PRAZER DE AMAR
(Karl Fern)

Nada nesse mundo é mais fascinante
Que amantes em seu leito de amor
É um misto de improviso sedutor
Com um ritmo teatral atordoante
Derretendo-se num prazer alucinante
Uma soma de contatos de improviso
Num gestual instintivo e impreciso
Instantes que valem uma eternidade
Sem limites pra buscar a saciedade
E todas as loucuras que for preciso.

São vultos flutuando em desejos
Num universo de sonhos para dois
Sem espaços pra pensar no depois
Segredos revelam-se nos ensejos
Sem concebíveis ou plurais pejos
Imagens de ternura e sensualidade
Mergulhados em mútua felicidade
Imunes aos vislumbres externos
Suplicantes de carinhos eternos
Imersos num frenesi de ansiedade.

Na nudez dos entes em injunções
Nos toques de mãos dedilhantes
O pulsar de corações ofegantes
Palpitantes e vibrantes emoções
Curvas que delineiam sensações
Impulsos que se evocam em lirismo
Fantasias eufóricas sem casuísmo
Pontas dos seus dedos se tateiam
Sons incontroláveis se permeiam
Em insanas odes de romantismo.

Esquecidos em júbilos ilimitados
Quedados na singeleza dos sentidos
Corpos permanecem entorpecidos
Bocas sugando orvalhos encantados
Passeando nos cantinhos excitados
Sem limites de verossímeis atitudes
Envoltos em preciosas inquietudes
Perdidos em genuína fascinação
Imagens em romântica encenação
Espectro vital de mimosas virtudes.

Ativas cenas de languidez e ternuras
Brilham humores na pele umedecida
O insólito cheiro da pélvis aquecida
Confiança de apaixonadas criaturas
Desejosos de perfeitas aventuras
Prazer em intenso deslumbramento
De êxtase e de cândido encantamento
É o amor em toda idílica intensidade
Saciando-se de cobiçada sensualidade
Num clímax do incólume sentimento.

Na saciedade de volúpias das libidos
Deliciam-se nas energias consumidas
Das cálidas impetuosidades vividas
Restam seres frágeis e enternecidos
Mitigados, convulsos e embevecidos,
Extenuados por prazeres exultantes
Na letargia dos tremores suspirantes
Envolvidos nos perfumes dogmáticos
Semeados pelos fluidos aromáticos
Emanados de seus corpos flamejantes! 

3 comentários:

Anônimo disse...

Esse poema exprime todo sentimento de amor vivido pelos amantes, entre quatro paredes, onde não ha espaço pra o pudor, e tão somente a realização de sonhos e desejos!

Parabéns por mais este maravilhoso poema!

Damiao Dantas disse...

Maravilha!!! Belo poema, professor Carlão!

Lucena Fernandes disse...

Maravilhoso, empolgante, envolvente!
Parabéns!