quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Momento lírico 96

 A PORTA
(Karl Fern)
Meu coração tinha uma porta
Um passadiço pra um carinho
Por quanto estivesse sozinho
Se haviam pretextos não importa
Estava sereno em pensamento
Aspirando em algum momento
Surgisse alguém de mansinho.

E por essa diminuta abertura
Sem prévio anúncio foi invadido
Por um vendaval foi sacudido
Na forma de uma linda criatura
Tomando-o de colossal paixão
Com devaneios e infinda emoção
Vestindo-me de prazer e ternura.

Adentrou e cerrou tal caminho
Não concedendo outra chance
Como personagem de romance
Transmutou da água para o vinho
Deixou-me pra sempre submisso
Cancelou adicional compromisso
Nunca mais senti-me sozinho.

Assim como a noite ama a lua
E há sempre estrelas no infinito
Nesse encanto tudo é mais bonito
É um fascínio que se perpetua
Como um brilhante raio de luz
Que ilumina e sempre me seduz
Com essa sensualidade só sua!

Um comentário:

Anônimo disse...


Coisa mais linda! A entrada do amor no coração,se pudesse fecharia a porta pra sempre.....

Parabéns poeta!