quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Momento lírico 71

COMO É BOM TER SAUDADE!
(Karl Fern)

Todo mundo tem saudade
De um amor ainda recente
Ela invade a alma da gente
Angustiante e sem piedade
Pra quem gosta de verdade
É um sentimento pungente.

Em um coração que sente
Uma insaciável vontade
Uma eterna ansiedade
Revolvendo a ansiosa mente
Por uma pessoa ausente
Presente com intensidade.

Melancolia da necessidade
Recordação suave e aflitiva
Personificação da imagem viva
Faz refém da incapacidade.
Do sentir da impossibilidade
Preso a uma nostalgia cativa.

Sem uma lógica justificativa
Que aquiete o imo indomável
Um frenesi interminável
Uma realidade passiva
Uma fogueira interna ativa
Mantendo uma dor afável.

Em quem ama é inevitável
Torturante e sem crueldade
Envolvente na sensibilidade
Lembrança gostosa e saudável
Um sentimento inquebrável
De indescritível suavidade.

Entre suspiros de ansiedade
É um bom sofrer sozinho
Uma forma de carinho
É o “conhecer” a felicidade
Como é bom ter saudade
Nem que seja só um tiquinho.

3 comentários:

Anônimo disse...

Coisa mais singela! Parece que o poeta leu o meu coração ao escrever esse poema, e descrever aquela saudade gostosa, de quem se faz sempre presente!

Lindo demais!

Anônimo disse...

Este estilo de poesia faz muito mais seu gênero,sempre espero a próxima porque você sempre se supera, mesmo na sem titulo você foi brilhante.Não aquelas sobre buracos. Um horror, não é para seu nível.

Anônimo disse...

Só para esclarecer,

As rimas feitas sobre o
"buraco mais caro do mundo" são apenas sátiras à gestão do atual prefeito e elas foram escritas no mesmo estilo de "literatura de cordel", e não de poesia clássica.