quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Momento lírico 68


VENDAVAL
(Karl Fern)

Esta paixão louca e selvagem
Impregnou-me do prazer total
Converteu-me num feliz mortal
Seguiu-me em serena viagem
Divisando a adorável miragem
Que imploro nunca ter um final!

Atingiu-me como um vendaval
Surgindo com afeição incontida
Iluminando meu espaço de vida
Apresentou-se em feitura real
Despertou meu ego sentimental
Envolvendo-me letal, atrevida!

Molde de mulher mais querida
Por teu abraço eu clamo e grito
O sorriso é sempre mais bonito
Tua boca é minha suave bebida
Minha alma por ti está perdida
Teu corpo é meu desejo infinito.

Tua cama é meu paraíso bendito
No teu colo eu descanso quieto
Teus braços só me trazem afeto
Sinto-me parecendo mais bonito
Imune a qualquer tipo de conflito
Poderoso e feliz por completo.

Tu és o perfeito e folhoso abeto
Fruta de delicado e doce sabor
Uma rosa do mais sublime odor
Na natureza um angelical objeto
Lindo luar romântico e discreto
Uma prece às divindades do amor!

3 comentários:

Lucena Fernandes disse...

Belíssimo de novo!!!! Parabéns! Uma verdadeira ode ao amor!

Anônimo disse...

Um belíssimo poema! Uma belíssima ilustração! Ha cada dia que passa, nos deleitamos em obras de qualidade sempre crescente!

Anônimo disse...

É uma das mais belas declarações de amor descritas num poema! VENDAVAL é sem duvida, uma obra ímpar!

Emocionante!