quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Desafio dos poetas II: “As promessas”


Este é mais um trabalho do conterrâneo “PRIMO POETA” que organizou esse segundo desafio entre os poetas jardinenses e enviou-o para o Blog PROFESSOR CARLOS FERNANDES publica-lo em primeira mão!
 MOTE: NAS PROMESSAS DE HENRIQUE / DE JOÃO MAIA E JOCIMAR

 
AMAZAN:
Posso até crer na figura
De um Saci Pererê
Mas aqui o que se vê
É uma ilusão pura
O prefeito reza e jura
Que a coisa vai melhorar
Mas não posso confiar
Em jogo que tem trambique
Nas promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

PRIMO:
Pagou caro para ter
Uma oportunidade
E por irresponsabilidade
Pensou em se promover
Se não fez por merecer
Chega a hora de deixar
Não dá para acreditar
Em conversa do Cacique
Nas promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

BRAZ:
No pingo do meio dia
Já começa seu discurso
Promete trazer recurso
Mais é tudo fantasia.
Mim meti nessa ousadia
E a fome quis me matar
Eu só tinha pra jantar
Um caldo de xique-xique
As promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

KARL FERN:
Esse pessoal mente demais,
Pra eles não há medida
Fizeram isso toda vida
E não vão sentir jamais
Um monte de asneiras a mais
Não vai lhes incomodar
Eu é que não vou mudar
Pois não sinto nada chique
Nas promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

MAGO:
Joga-se no sanitário
As mentiras desses três
Ninguém quer ficar freguês
O povo não é otário
Isso é conto de vigário
Para a todos enganar
Você tem que eliminar
Tudo o que lhe prejudique
As promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar. 

CABORÉ dos Currais Novos:
Quem tem o dom de mentir
Procura encontrar um meio
De prometer o alheio
Sem o dono permitir
O pior está pra vir
Não perdes por esperar
Esta carga vai tombar
E não tem corda que estique
Nas promessas de Henrique
De João Mais e Jocimar. 

BIU do Zangarelhas:
Fez pesquisa de proveta
Bastante tendenciosa
Nesta consulta sebosa
Ele viu a coisa preta
Na casa de Anchieta
O rádio não quer falar
Sem poder sintonizar
Carranca deu um chilique
Com as promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar. 

S.M.A:
Estou certo e convencido
Que vamos vencer a guerra
Bacurau já grita e berra
Se sentindo abatido
Forte o grande alarido
Muitas mentiras no ar
Temos que trancafiar
Em casa de pau-a-pique
As promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

SILVANO:
Vou dar minha punição
Para essa criatura
Acusada de tortura,
Calote e corrupção.
Vou ganhar a eleição
Pra depois lhe expulsar
Se o bispo concordar
Vai rezar em Moçambique
Com as promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

O.D.FILHO:
Pedi para o criador
Não mudar minha vontade
Eu sou da melhor idade
Na campanha do Cantor
Este padre opositor
Nasceu para enganar
Se Milicas não virar
Vai ganhar um alambique
Nas promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

7 comentários:

Anônimo disse...

BOM DEMAIS!! PARABÉNS PRA ESSE GRUPO TÃO CRIATIVO!

Anônimo disse...

Professor!
Mais um excelente trabalho dos seus conterrâneos.
Parabéns aos Poetas.

R. Medeiros disse...

Mais uma professor :)

Vou mudar o itinerário
Da vida de vocês
Que eu não quero dessa vez
Cair na conversa de adversário
Pois não preciso de glossário
Para saber o que é enganar
O jeito tem que ser acabar
Em Jardim não quero que isso fique
As promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.

Anônimo disse...

Bem que Jardim tem poetas, e dos bons.

Anônimo disse...

Bem que Jardim tem poetas, diga-se de passagem, dos bons.

Gibson disse...

Carlão,

Pelo jeito, o futuro prefeito já está fomentando a cultura de Jardim do Seridó.

ISSO É BOM!!!!

Gibson Azevedo disse...



Apesar de não ser partidário de ninguém nesta eleição, pois, que, nunca votei no meu município de origem, não consegui me furtar do prazer de também glosar no mesmo mote em análise: “Josimar vai entrar para os anais / com o buraco mais caro do Brasil”. Observem que eu rimei na forma de glosa clássica – mais consagrada - quando ao primeiro verso do mote aparece na quarta frase, e a segunda parte, do citado mote, somente aparece na décima frase.

Mote:
Josimar vai entrar para os anais
Com o buraco mais caro do Brasil.
Glosa:
Um sujeito de posturas anormais,
Um padreco que cismou em fazer porta...
Um portal, uma entrada..., não importa,
Josimar vai entrar para os anais.
Hoje é foco de buchichos infernais:
Nesta urbe de Jardim primaveril,
Enganou do mais novo ao mais senil,
E ao mentir, foi cavando a sepultura
Do erário da cidade, na fundura,
Com o buraco mais caro do Brasil.


Natal-RN, 21 de setembro de 2012.
Gibson Azevedo – poeta.



Mote:
As promessas de Henrique
De João Maia e Jocimar.
Glosa:
É congresso de trambique
E assunto de mutreta,
- Maior logro do planeta -
As promessas de Henrique.
É possível que inda fique...
Pior, só pode ficar:
Se nesse imbróglio juntar
Bazófias de um padre ateu,
Com a merda, sabão e breu,
De João Maia e Jocimar.


Natal-RN, 24 de setembro de 2012.
G. A. – Poeta.