quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Um triste diário ...

5 de outubro
Hoje teve início a minha vida. Papai e mamãe não sabem mas eu sou o fruto do intenso prazer que eles viveram. Eu sou apenas um pontinho, contudo todas as minhas características físicas e psíquicas já estão determinadas. Terei os olhos de papai e os cabelos castanhos e ondulados da mamãe. E isso também é certo que eu sou uma menina.
19 de outubro
Hoje começa a abertura de minha boca. Dentro de um ano poderei sorrir quando meus pais se inclinarem sobre meu berço. A minha primeira palavra será “mamãe”.
25 de outubro
O meu coração começou a bater. Ele baterá até o fim da minha existência. De fato, é isso uma grande dádiva de Deus.
02 de novembro
Os meus braços e as minhas perninhas começaram a crescer até ficarem perfeitas. Assim, enroscarei meus bracinhos no pescoço da mamãe e lhe direi o quanto eu a amo.
20 de novembro
Hoje, pela primeira vez, minha mãe percebeu, pelo seu coração, que me carrega dentro dela. Acho que ela teve uma grande alegria.
28 de novembro
Todos os meus órgãos estão completamente formados. Eu já sou grande e vou ser a alegria da casa.
02 de dezembro
Logo mais poderei ver luz, cor, flores... como deve ser magnífico! Que alegria quando eu vir minha mãe... Oh! Como esperar tanto tempo! Faltam ainda tantos meses...
12 de dezembro
Crescem-me os cabelos e as sobrancelhas. Já imagino como minha mãe ficará contente colocando lacinhos em sua filhinha!
24 de dezembro
O meu coraçãozinho está pronto. Graças a Deus o meu coração é perfeito e serei uma menina cheia de vida e forças. Todos ficarão alegres com meu nascimento.
28 de dezembro
Hoje minha mãe amanheceu diferente, está um pouco angustiada. Parece que nós vamos sair para um passeio. Creio que ela quer se distrair um pouco, talvez comprar roupinhas para mim. É isso mesmo, estamos saindo para algum lugar. Ih! Acho que estamos entrando em uma clínica. Deve ser para checar se a minha saúde vai bem. Que felicidade! Quando eu nascer, direi à minha mamãe o quanto lhe sou grata.
O médico está chegando...
Mas... isso não é um exame... Não, mamãe! Não o deixe se aproximar! Aiii meu Deus! Esta é uma clínica de aborto! Socorro! Deixem-me nascer!... Ninguém escuta meus gritos!... E meus sonhos de felicidade... Minha vontade de sorrir pra mamãe, ver a luz, as flores, as cores... Tudo acabado...
SIM... HOJE... HOJE MINHA MÃE ME ASSASSINOU...!!!

Fonte: Adaptado pelo autor desse blog, de um artigo da SELEÇÕES DO READER´S DIGEST (H. Schwab - Nur ein Hinderland ist ein Vaterland)

3 comentários:

Lucena Fernandes disse...

Pôxa, esse doeu no fundo do meu coração!

Anônimo disse...

Essa é uma triste realidade! Fiquei emocionada!!

Anônimo disse...

Pôxa! Que triste realidade!! Quando vemos um relato desses, sentimos uma enorme emoção!