quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Momento lírico 59

O RETIRANTE
(Karl Fern)

Segue a pé o solitário retirante
Pensativo caminha pela estrada
Cabisbaixo sem esperar mais nada
Tendo a fome por sua companheira
Subvivendo de qualquer maneira
Em uma aventura desnaturada.

Calado e sisudo em sua caminhada
Na mente banalidades confusas
Em volta apenas paisagens difusas
Vazias e acuadas no sol inclemente
E sua maculada sina de vivente
Vai vagando como almas intrusas.

Vítima de uma sociedade obtusa
Sem chances e desesperançado
Seu futuro nada tem de planejado
Caminha sobre o asfalto sinuoso
Aquecido pelo sol forte e impiedoso
Roto chapéu, de suor encharcado.

Cena cruel de um mundo obscuro,
Sob seca voraz e calor escaldante
Faz-me pensar por algum instante
Poderia ser eu um igual sofredor,
O destino me livrou desse horror
Sorte omissa pra o tal caminhante.

Assim vive o predestinado errante
Humilhado por força dos poderosos
Hipócritas da fé, egoístas mentirosos!
Campeões da injustiça e da maldade
Massacram humildes sem piedade
Insaciáveis, vis, frios e gananciosos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cada tema com sua realidade particular, e muito bom gosto rimado!

Parabéns!