quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Humor - O "causo" da viagem do navio


            O grande Ariano Suassuna definiu certa vez, em uma palestra aqui em Campina Grande, que um grande escritor nada mais é que um competente mentiroso profissional (basta assistir seu Alto da Compadecida para confirmar esta definição na sua forma mais debochada!) e nesta mesma palestra ele largou esta:
           Lá pelos idos anos 40 do século passado, um conhecido dele lá das bandas de Taperoá, curioso, pede para o seu compadre contar como foi sua viagem de navio de João Pessoa para o Rio de Janeiro. O amigo não se fez de rogado e relatou:
            - Cumpade, Eu num lhe conto! Nessa viagem de ida pro Rie de Janeiro, a pior situação foi quando o navio incaiou nas costa da Bahia e eu num conseguia nem abrir a porta do camarote (já mentiu pois camarote era coisa para rico!) nem sair pela jinela (vigia). Então eu me lembrei qui levava uns vrido de brilhantina glostora na mala (naquele tempo era o máximo!), abrii eles, tirei a roupa toda do corpo e me lambuzei todo e aí eu conseguii escorregar pela jinela e cair no mar. De repente apareceu um tubarão na minha frente! Aí eu tirei minha pexêra da cintura...
            O compadre, estranhando interrompeu: - Peraí Cumpade! Você num disse qui tava nu!?
            O viajante, pego no contra-pé, perguntou irritado: - Cumpade! Você quer saber da histora ou quer discutir?! Num conto mais. Pronto!” E foi embora...

Um comentário:

Anônimo disse...

Nosso querido Ariano Suassuna, sempre orgulhando a Paraíba com suas mentiras maravilhosas!

Adorei!