quarta-feira, 27 de junho de 2012

Momento lírico 39


ODE A UMA CAIXINHA

(Karl Fern)

É uma caixinha pequenina
Guardada com todo apego
Protegida desde menina
Abrigada com aconchego.

Horizonte de um sonhador
Mistério a ser desvendado
Cobiça completa do amor
Intento a ser conquistado.

Tesouro íntimo e valioso
Preciosidade da natureza
Fetiche mais poderoso
Altar de fascinante beleza.

Perdição dos pensamentos
Delicada e atraente demais!
Obsessão dos sentimentos
Fascínio de loucuras reais.

Motivo de fartas lembranças
Predicado de uma saudade
Ensejo pras sublimes danças
Razão do prazer de verdade!

Visão onírica, colírio total!
Mimo intenso e sedutor!
Pretexto súplice e sensual!
Convite excitante, tentador.

Esplendorosa e fantástica
Mel de volúpias e desatinos
Imagem de odes mágicas
Como um leve soar de sinos.

Órgão de traços perfeitos
Alcance das paixões ardentes
Único, demais, sem defeitos
Recanto dos desejos latentes!

Segredo tímido resguardado
Intimidade a ser concedida
Delírio a ser consumado
Com uma paixão escolhida.

Quis um destino encantado
Que eu fosse o preferido
Entre tantos o premiado
Pra ser seu querer atrevido!

Tocá-la de forma carinhosa
Uma dádiva que me faz forte
Amando essa caixinha mimosa
Sou sim, um cara de sorte!

2 comentários:

Anônimo disse...

Ou coisa mais lindaaa!

Adorei!

Anônimo disse...

Essa me deixou sem palavras. Perfeita!
Adorei!