quinta-feira, 10 de maio de 2012

Momento lírico 16


  AMANTES AMANTES (Soneto)
                 (Karl Fern)

Em um mundo criado em poucos instantes
Escondido entre quatro paredes mudas
Uma meia luz ilumina silhuetas sisudas
Lençóis farfalham sob corpos amantes.

Suspiros de amor, emotivos, ofegantes
Ecos românticos de intensidades agudas
Princípio de êxtases sem quaisquer ajudas
Momento sublime de ações incessantes.

Escapam sons de penetrante magia
Passam-se desejos de insaciável orgia
Rolam sentimentos de imensurável louvor

Suaves respiros de deliciosa agonia
Improvisos que fogem a qualquer teoria
São almas perdidas nas volúpias do amor.

3 comentários:

Anônimo disse...

Figura linda da PORRA!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eustáquio. disse...

É de deixar a respiração de qualquer um ofegante! Amei o soneto, é de fato FANTÁSTICO!

JAIRA disse...

Quanta sensibilidade na escolha deste soneto. Parabéns!